Kester 10 G

|

Fale Conosco - contato@kester.net.br |

Inicio |

Mariana, Brumadinho, erros que se repetem e que irão continuar a se repetir


Guilherme Kalel
Por Kester 10 G
28/01/2019

Em 05/11/2015, o Brasil entrou em choque ao ver o mar de lama que destruiu o distrito de Bento Rodrigues em Mariana, MG.
Na ocasião, 19 pessoas morreram e a lama foi tamanha, que a barragem rompida da Samarco, levou o rejeito de minério ao Rio Doce.
Os danos ambientais foram e ainda são, catastróficos.
O rio praticamente morreu e muitas cidades precisaram passar por dias de tormento, para encontrar um novo manancial de águas.
O rio abastecia cidades de Minas e também do Espírito Santo.
Pessoas que, tiveram as vidas modificadas por conta de tudo o que aconteceu.

3 anos e 2 meses depois daquela tragédia ainda estar em nossa memória, uma nova se abate em nosso olhar.
A mesma Minas Gerais, uma também barragem de rejeito de minério rompida, muda apenas a cidade e as proporções humanas da tragédia.
Em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, a lama destruiu a Vale, mineradora proprietária da barragem, restaurante, refeitório, soterrou casas, fazenda, ônibus.
Todos foram pegos de surpresa e as equipes de resgate ainda trabalham na busca por pessoas em meio ao lamaçal.
A destruição é complexa, grande demais, e triste de se ver.
Mesmo sem enxergar, mas estando no lugar, se é possível ter uma dimensão do tamanho da destruição que se arrastou, das vidas afetadas.
As pessoas que perderam tudo, e que ainda precisam buscar forças porque tem parentes e amigos desaparecidos.
Quando da publicação deste artigo, eram mais de 300, entre funcionários e moradores da cidade.
Fora os mais de 50 mortos que a tragédia já computava.

Uma tragédia, um crime ambiental.
Que não tem outra forma de ser chamado, e que infelizmente não foi o primeiro e nem será o último a que iremos anunciar.
Muitos erros propiciaram os episódios que agora acompanhamos.
E a maior parte desses erros foi cometida pela ação humana, ou a falta dela.
Barragens construídas de maneira frágeis, para que se gastassem pouco dinheiro.
Sem uma estrutura que verdadeiramente suportasse a quantidade de rejeito e de lama que se chegaria por ali.
A Vale, é a grande responsável pelo desastre de Brumadinho.
Sim, houve falta de fiscalização adequada e nisso o governo tende a melhorar.

Mas uma empresa não pode agir, somente quando é fiscalizada ou multada.
Nem quando tragédias como essas ou as de Mariana acontecem.
A Vale já tinha como exemplo a Samarco, na cidade mineira de 3 anos antes.
E assim como a tal, seguiu ignorando, fazendo as coisas da forma como julgavam o correto, sem melhores e maiores avaliações.
Relatórios de técnicos não bastam para explicar, porque barragens frágeis foram construídas.
A economia que antes quiseram fazer, agora custará a eles bilhões.
E para familiares e vítimas, um preço que nem todo o dinheiro do mundo é capaz de pagar, o de uma vida, ou de dezenas, talvez centenas delas.

|||

Críticas, sugestões ou denúncias - Fale com nossa Equipe jornalismo@kester.net.br

(11) 98983-1521

Copyright (c) 2018. -
Todos os direitos reservados.
Proibido repassar. |